Resumo Carine Maria Senger

No contexto em que estamos inseridos, como pesquisadores, intervencionistas e gestores, constantemente, nos deparamos com o desafio de planejar o desenvolvimento de uma atividade. Levando isso em consideração, em meados de 2013 constituímos o Grupo de Pesquisa intitulado “Estudo sobre as metodologias de pesquisa intervencionistas fundamentadas na perspectiva da Teoria da Atividade Histórico-Cultural para aprendizagem organizacional: o Laboratório de Mudança e a Clínica da Atividade”. Embora nosso objetivo inicial estivesse voltado ao desenvolvimento de pesquisas e reflexões teóricas, inserimos uma atividade prática visando o desenvolvimento empírico da teoria por meio de uma atividade de gestão de resíduos sólidos. Assim, uma atividade colaborativa teve início com a aplicação do Laboratório de Mudança, à convite do Hospital Universitário de Maringá/PR. Por sua vez, estivemos envolvidos com o Projeto de Extensão “Laboratório de Mudança como metodologia de pesquisa e desenvolvimento colaborativo na gestão dos resíduos do Hospital Universitário de Maringá: uma abordagem intervencionista”, no período de 2013 a 2016. Nesse período, paralelo ao desenvolvimento desses projetos, duas dissertações de mestrado foram concluídas com a temática, outra ainda está em andamento, além de uma co-orientação de doutorado. Vários artigos vem sendo publicados em periódicos e eventos, nacionais e internacionais, como resultado desses estudos. Atualmente, o Grupo de Pesquisa “Compreendendo metodologias de pesquisa intervencionistas fundamentadas nas perspectivas da Teoria da Atividade Histórico-cultural e da Psicologia Social Comunitária Latino-Americana para os Estudos Organizacionais” integra membros da UEM, UNESPAR/Campus Apucarana e UNICENTRO, e objetiva pesquisar e testar metodologias de pesquisa que sejam importantes para o processo de aprendizagem dos sujeitos envolvidos nas organizações, com vistas a possibilitar o processo de agência transformadora entre os profissionais de uma atividade.